Os rigores da Lei para donos de bares e restaurantes, a falta de fiscalização para membros da administração

Rodrigo Pereira
- Publicidade -

Um Rodeio aconteceu em Penápolis sem que a fiscalização da Prefeitura Municipal tomasse conhecimento, apesar da fiscalização estadual ter autuado e multado os organizadores do referido evento, que contou até com a presença de uma ambulância da prefeitura.

Em Birigui, por exemplo, o uso de veículo público para fim particular acabou com a prisão de uma funcionária da prefeitura.

Em Penápolis, os donos de bares e restaurantes tem sido fiscalizados com todos os rigores da Lei e recebendo multas, por conta de exigências de horários discutíveis, por tentaram colocar comida em suas mesas e garantir o emprego de seus funcionários.

Multas são aplicadas. Estabelecimentos são fechados. Pais de família são impedidos de garantir o seu sustento.

Enquanto prefeitos de cidades como Bauru e Mirandópolis tentam aumentar a tolerância dos horários de funcionamento do comércio e garantir que os níveis de desemprego não aumentem ainda mais, nossa administração municipal preocupa-se com alterações de cargos para manter a nomeação de amigos, não exonerou nenhum dos envolvidos no rodeio, e principalmente, não veio a público esclarecer como a fiscalização não tomou conhecimento do evento.

Já os empresários e comerciantes que estão tentando sobreviver em meio à crise causada pela pandemia, são multados por não respeitarem limites de horário impostos pelas “autoridades”, como se o vírus somente agisse após determinada hora.

Depois de todos esses meses de quarentena, obviamente, os empresários e comerciantes precisam trabalhar para pagar suas contas.

Seus funcionários precisam dos empregos para continuar colocando comida em suas mesas.

Ao contrário do prefeito e seus comissionados, o salário dos funcionários de bares e restaurantes da cidade não irá cair milagrosamente em suas contas caso não possam trabalhar.

Prefeito Caíque Rossi, esqueça as nomeações de amigos e apoiadores da sua campanha política e se preocupe com os comerciantes e empresários de Penápolis que já não conseguem mais pagar suas contas!

Sem os impostos pagos pelos empresários e comerciantes que estão no seu limite de capacidade financeira, qual será a próxima fonte de receita da Prefeitura de Penápolis?

A Lei é e deve ser igual para todos!

Se a fiscalização não ocorre para uma determinada pessoa, por qual motivo todas as demais merecem ser fiscalizadas?

Trate os empresários e comerciantes da mesma forma que trata os atos de seus comissionados!

O comércio penapolense não vai aguentar por muito mais tempo.

E quando isso acontecer, mesmo os que acham que seus empregos estão garantidos, correrão o risco de serem exonerados.

- Publicidade -