Livramento realizou ‘Chá Cultural da Primavera’

Assessoria de Imprensa/Prefeitura de Buritama

A primavera começou na segunda-feira (23), às 4h50, e a chegada da nova estação foi comemorada na escola de ensino fundamental do Livramento, com o evento ‘Chá Cultural da Primavera’. As professoras Luana Silva e Siméia Canovas Sanches Simon de Oliveira realizaram ontem (26), evento que reuniu literatura e música.

Participaram 26 crianças e o espetáculo uniu dança, poesia e música com objetos não convencionais, entre eles, copos, canetas, papel e TNT. Luana explicou que a ideia do espetáculo surgiu com a poesia ‘Quando as crianças brincam’, de Fernando Pessoa. “Eles [alunos] gostaram da forma que o poeta expressou seus sentimentos, a partir desse dia comecei a receber alguns bilhetinhos com poesias feitas por eles”, explicou.

A professora citou também que os recados eram escondidos entre seu caderno e a apostila. “Então continuei a ler poesias para iniciar as aulas. Então propus a eles fazermos uma apresentação com poesias lidas para toda escola. Eles adoraram. E fui montando a apresentação com a leitura de algumas poesias e a escolha das mesmas feitas por toda sala”, disse Luana.

Para chegar até a apresentação, os alunos aprenderam que na década de 60, haviam nas grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, as tradicionais confeitarias. No local, os frequentadores declamavam poesias e saboreavam café e bolos. “Juntamos a alegria e o colorido da primavera, com a beleza e sensibilidade da poesia. Literatura e música caminham juntas, por esse motivo resolvi juntar as duas”, reiterou.

Segundo a diretora Eliana Aparecida Gomes, as apresentações culturais ajudam na compreensão dos temas abordados em sala de aula. “O deleite da junção da música e literatura contribui para uma educação mais inclusiva, além de promover conhecimento e humanização”, salientou.

Para a professora de música, Siméia Oliveira, durante as aulas busca-se fazer arte de um jeito simples, por meio de elementos peculiares, objetos que podem ser encontrados dentro de casa como copos, colheres, canetas, sacolas, baldes, papeis, garrafas, tampinhas, bexigas, tecidos etc. “Os sons fazem parte da nossa existência desde o nascimento e em todos os momentos trabalhamos com o reaproveitamento de sucata em tempo de descarte excessivo e consumismo. Nessa era do transtorno de atenção a música é um bálsamo, ela tem o poder de curar, restaurar, transformar e sensibilizar”, frisou.

E o ‘chá da primavera’ permitiu que a música e a poesia pudessem resgatar a história e o colorido das flores. “É o que eu disse as minhas crianças para perceber a beleza que há na vida. Pois, a violência está tão grande, que eles não veem a vida com um colorido que ela nos traz”, concluiu a professora Luana.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Prefeitura de Buritama