Guararapes realiza poda das palmeiras para eliminar focos do bicho-barbeiro

Prefeitura Municipal de Guararapes

A Vigilância Sanitária de Guararapes, em parceria com a Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), iniciou na segunda-feira, 20, e vai até o dia 31 de julho, a poda de todas as palmeiras do município, com o objetivo de retirar o material que a própria palmeira imperial produz durante o ano, o qual serve de abrigo para o bicho-barbeiro, transmissor da doença de chagas.

As palmeiras são o habitat natural do inseto, pois ele se alimenta do sangue das maritacas que se abrigam no topo das árvores criando colônias. Portanto, as folhas das palmeiras são cortadas, é aplicado um inseticida no corte da palmeira evitando que o inseto migre para as residências. Posteriormente, os insetos encontrados são separados e encaminhados para laboratório da Sucen, onde é feita a análise para saber se o inseto está ou não contaminado.

A ação está sendo feita na Praça Mohamad Dargham e terá continuação na Praça Nossa Senhora da Conceição, no Centro de Lazer, nas avenidas dos Bairros: Copacabana, Eurides Amaral, Princesa Isabel, Raquel Caldas e Gaudêncio José Pereira.

Além disso, as equipes de endemias estão percorrendo em um raio de 300 metros, onde estão sendo realizados os trabalhos, para orientar e distribuir panfletos educativos sobre o bicho-barbeiro.

A educadora em saúde da Vigilância Sanitária, Elaine Lagrotti, orienta que se algum morador encontrar um bicho-barbeiro dentro de casa deve recolhê-lo e entregá-lo à Vigilância Sanitária.  “Nós aconselhamos que o morador use luvas de proteção ou saco plástico sem furo e coloque o inseto em um recipiente vedado, encaminhado o mais rápido possível à Vigilância”, explica Elaine.

Doenças de chagas

É uma doença infecciosa que pode evoluir para uma fase crônica da doença com comprometimento cardíaco ou digestivo.

Os primeiros sinais surgem, em média, 10 dias após o contágio com o bicho-barbeiro, levando ao aparecimento de febre, mal estar, falta de apetite e inchaço localizado. Após um período médio de seis meses, vários órgãos do corpo (fígado, coração, baço, esôfago e intestino) podem ficar comprometidos levando a sérios problemas.

Em, Guararapes há muito tempo não se tem registro de casos da doença.

Fonte: Prefeitura Municipal de Guararapes