Golpe eleitoral ou resolveram cumprir suas funções só no final do mandato?

Jean Rizk

Os vereadores da Câmara Municipal de Penápolis resolveram instaurar uma CEI para investigar exatamente o que já foi investigado pelo Ministério Público e GAECO, mas em contrapartida, recentemente o pedido do vereador Evandro Tervedo para apurar eventuais ilegalidades na contratação de uma empresa jornalística pela própria Câmara de Vereadores foi simplesmente ignorado pelos demais edis.

Estranhamente, a identificação dos supostos envolvidos e o funcionamento do esquema já foram realizados pela Operação Raio-X, o que coloca em dúvida a real utilidade da CEI instaurada pela Câmara de Vereadores de Penápolis.

Há inúmeros indícios de que tal CEI apenas se trata de uma encenação diante da proximidade das eleições municipais, como por exemplo:

  1. Ausência de tempo hábil para que a investigação seja finalizada, uma vez que o mandado dos atuais vereadores se encerra em meados de dezembro, quando iniciam um dos períodos de férias dos vereadores.

    Ou será que irão investigar em tempo recorde antes das eleições, mesmo antes da conclusão dos trabalhos do Ministério Público e do GAECO?
  2. Não houve investigação prévia, sendo que os vereadores apenas tomaram conhecimento das irregularidades por meio da operação Raio X, o que demonstra que a função fiscalizatória não foi cumprida a contento. Por óbvio, se os vereadores fiscalizassem o Executivo já saberiam das eventuais irregularidades que, em tese, foram cometidas.
  3. Em outras ocasiões, pedidos de instauração de CEI similares foram simplesmente rejeitados.
  4. Já ocorreram casos onde munícipes ingressaram com representações contra ilegalidades e a Câmara de Vereadores de Penápolis rejeitou os pedidos alegando que já haviam investigações em andamento no Ministério Público e que não caberia à Câmara investigar.
  5. Partindo do mesmo princípio de que tomaram conhecimento das irregularidades através de atos de órgãos como o Ministério Público e GAECO, por qual motivo os vereadores também não instauraram CEIs para cassar o prefeito Célio de Oliveira por conta de ações de improbidade administrativa como a da Grama Esmeralda, criação da Secretaria de Negócios Jurídicos para burlar sentença que exonerou o procurador geral do município, gastos com as lonas com impressão digital etc?

Será mesmo que os vereadores resolveram cumprir suas obrigações ou se trata apenas de uma encenação para tentarem mostrar que estão fazendo algo diante de toda a repercussão negativa do caso?