Enquanto cidades vizinhas tentam reabrir comércio, Penápolis implanta Centro de Referência do Covid-19

Jean Rizk

Antes de mais nada é necessário esclarecer aos militantes,pessoas sem-noção em geral, robôs e todos aqueles que recebem ou querem receber dinheiro para defender políticos, que obviamente ninguém é contra os investimentos na Saúde.

O que levanta inúmeras dúvidas é o momento escolhido para isso e, principalmente, o local onde os investimentos serão aplicados.

Enquanto inúmeros prefeitos de todo o Estado de São Paulo estão buscando alternativas para a reabertura do comércio e a consequente volta às atividades normais (veja o exemplo da cidade de Birigui), o prefeito Célio de Oliveira quer implantar um centro de referência para o Covid-19 em Penápolis, apesar do número de infectados não justificar tal implantação.

A implantação do referido Centro de Referência do Covid-19 traria o risco de transferência de todos pacientes da região que estejam infectados com o vírus, o que obviamente gera um enorme risco para toda a população.

Não bastasse isso, temos o ponto conhecido por “timing”. Por que não cogitaram de realizar a implantação de tal centro no início da pandemia? Será que neste exato momento ele ainda se faz necessário?

Será que o valor de cerca de mais de 2 milhões de reais referente à suplementação orçamentária (votação a ser realizada em 22/04/2020) para o atendimento do novo Coronavírus será usado exclusivamente em tal centro de referência?

Por que não realizar todos os investimentos necessários na estrutura existente da Santa Casa, evitando gastos em prédios particulares e, especialmente, o pagamento de aluguéis?

Não seria mais vantajoso para a população penapolense que todo o investimento fosse feito na Santa Casa?

E por fim, será que o prefeito irá tentar prolongar as restrições do comércio para justificar a implantação do tal Centro de Referência do Covid-19?